Os sistemas digitais ou digitalizados têm apresentado sensibilidade superior quando comparada à mamografia convencional analógica, notadamente em pacientes jovens (abaixo de 50 anos), pré ou peri-menopausadas e em pacientes com mamas densas ou extremamente densas.

Além da evolução tecnológica e da maior confiabilidade, o sistema digital ou digitalizado não é poluente, pois no processo de aquisição das imagens não utiliza elementos químicos contendo nitrato de prata. Contribuindo assim na preservação do meio ambiente.

Para maior conforto e segurança os exames são realizados por técnicas em radiologia especialmente treinadas em mamografia. 

Os laudos são sistematicamente processados e revisados  por médicos especialistas na área de diagnóstico por imagem habilitados pelo Colégio Brasileiro de Radiologia – CBR.